O MUSEU DOS COCHES - (parte 2)

segunda-feira, junho 29, 2015


                         Coche da Coroa (por ser encimado por uma coroa)
Como vos contei aqui,
http://receitasdatiafatima.blogspot.pt/2015/06/o-novo-museu-dos-coches.html
o (futuro) Museu dos Coches foi idealizado pela rainha D. Amélia, esposa do rei D. Carlos I, para guardar todos os transportes reais que andavam dispersos por vários palácios e alguns mesmo ao abandono.
Ela tinha a noção do seu valor e queria preservá-los.
O espaço que encontrou foi junto ao Picadeiro Real de Belém, onde a Família Real e os Nobres treinavam e faziam jogos equestres. Foi inaugurado em 1905.
Só passou a chamar-se Museu dos Coches em 1910, depois da implantação da República, tendo sido acrescentados por essa altura, outros carros da Nobreza e do Clero.

                                                    Coche dos Oceanos

O Coche dos Oceanos foi um dos cinco coches temáticos que, com mais 10 de acompanhamento, fizeram parte da Embaixada ao Papa, enviada por D. João V em 1716 (séc. XVIII).
É um carro de "caixa" aberta, forrado de veludo de seda vermelha por fora, bordado a fios de oiro e por dentro de brocado branco bordado a oiro.
O Coche dos Oceanos, mostrava as Glórias Marítimas dos Portugueses.

Na fachada traseira podem observar ao meio (em cima) Apolo posicionado sobre o Globo Terrestre, ladeado pelas deusas do Verão (à esquerda da foto) e da Primavera (à direita). Em baixo dois velhos de mãos dadas, personificam o Oceano Atlântico e o Oceano Índico unidos pelos portugueses, após a passagem do Cabo da Boa Esperança.
 Os primeiros coches surgiram na cidade húgara de Kotze, por volta de 1400. Foi da adulteração (linguística) do nome da cidade, que passaram a ser designados coches.
Eram carros de tracção animal cuja "caixa" estava suspensa por grossas correias de couro, sem ligação às rodas. Como podem calcular, em viagens longas por caminhos em mau estado, trepidavam muito e eram bastante incómodas.
Mais tarde, em Berlim, foram criadas novas carruagens, as berlindas cuja "caixa" assentava sobre dois varais de madeira grossa. Esse pormenor tornou-as mais leves, mais rápidas e mais cómodas.

                                        Aparato da tracção animal

A carruagem da Coroa é uma berlinda, mas não se distinguem bem os varais.


Ao longo dos séculos, as carruagens foram-se simplificando e no século XVIII circulavam as seges, carros de duas rodas e um assento único, puxadas por cavalos e usadas para deslocações rápidas.

                                                       Sege dos Óculos

A sege dos óculos, assim chamada devido ao aspecto, tinha uma cobertura em couro para que o seu ocupante não fosse reconhecido. Foi numa sege igual a esta que o rei D. José sofreu um atentado, ao que parece quando ia à sucapa, visitar uma dama.

                                           Liteira

A liteira era uma pequena carruagem com dois varais laterais que suportavam a "caixa" e aos quais se atrelava uma mula à frente e outra atrás.

                           Coche de Caça

Este coche era usado nas caçadas para transporte das esposas (e companhia). A carruagem ficava estacionada num lugar cimeiro de onde as damas podiam apreciar o desenrolar da caçada.

                       Coche urbano - séc. XIX

No séc. XIX vulgarizaram-se os coches urbanos , percursores do taxi, para transporte de pessoas na cidade. Eram carruagens leves, cuja "caixa" tinha uma forma abaulada na parte inferior e estava suspensa por correias curtas e molas de aço.  A boleia, como era chamado o assento do cocheiro, ficava mais elevada e tinha 4 lanternas fixas, o que permitia uma maior visibilidade ao condutor. O transporte de carruagem tornou-se assim mais confortável e mais seguro.

Carruagem que transportava a Família Real quando do regicídio do rei D. Carlos e de seu filho.

                      Mala Posta (ou Mala Postal)

A exposição termina com a carruagem  que fazia o transporte de pessoas e Correio, também conhecida por Mala Posta.

Nota: O mais engraçado, é que o antigo (e verdadeiro) Museu dos Coches não fechou! Continua aberto ao público tanto o Picadeiro, como a restante colecção de Coches que lá ficaram. Se eu soubesse, tinha lá ido matar saudades!
Na bilheteira (do novo Museu) ninguém informa, mas parece que há dois tipos de bilhetes: um simples só para o Museu novo e outro um pouco mais caro que dá para os dois museus.
 
 Espero que não tenham desesperado com a extensão deste post!
Uma boa semana para todos. Eu vou estar de novo uns dias ausente, na minha aldeia, mas voltarei logo que possível. Beijinhos da

Bombom (Tia Fátima ou Avó Fátima)





Talvez Goste de Ler

6 comentários

  1. Esse museu deve ser lindo! Todos os coches, desde os mais simples aos mais elaborados são de uma beleza extraordinária! Apetece saltar para dentro deles quais princesas ou rainhas e passear dentro desses "carros" cheios de história! Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Deve ser lindo e muito luxuoso este museu, fiquei encantada com as imagens!
    Acredite se quiser, mas temos uma ala no Museu Imperial lá em Petrópolis, com algumas carruagens dessas, alguma até trazida de Portugal à época de D.Pedro I e outras que são carros de entregas, como correio e padaria.
    Adoro ver estas coisas, me remetem a um tempo de castelos, príncipes, mas também à triste realidade dos escravos.
    um beijo carioca querida amiga.


    ResponderEliminar
  3. Olá, Bombom, fiquei com muita vontade de visitar! bela reportagem.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Que fotos lindíssimas,...
    Beijinhos,
    Espero por ti em:
    http://strawberrycandymoreira.blogspot.pt/
    www.facebook.com/omeurefugioculinario

    ResponderEliminar

  5. Oi, amiga!

    Eu amei o seu texto. As imagens são lindas e luxuosas. Gosto muito de apreciar antiguidades. Sou apaixonada por História.


    Paz e bem!
    Socorro Melo

    ResponderEliminar