maio 29, 2015

OLÁAA!

Começo por enviar um abraço de Amizade a todas as Amigas e Amigos que ainda não desistiram de mim.
Eu também não desisto deste Meu Estaminé, embora desde 2013 o tenha deixado muito "au rallenti".
Problema das areias na engrenagem que me fizeram baixar o "élan" e o entusiasmo.
Preciso de aprender mais neste domínio da internet, de renovar o visual do Blog, de aprender a mexer-me nas tecnologias que só aprendi depois de envelhecer e à minha custa.
Preciso, portanto, de investir mais no meu conhecimento, mas não sei bem como fazê-lo.

Estou a escrever-vos da Paiágua, a minha aldeia da Beira Baixa, onde cheguei há três dias.
O clima continental já se faz sentir com os seus calores, apesar de ainda estarmos só no início de Junho e as mudanças climáticas também.
Este ano não há fruta! A nossa cerejeira, que floriu como vos contei em Março, não tem cerejas e a pereira está na mesma. E por aqui toda a gente se queixa do mesmo mal.
O ano foi mau, não choveu o suficiente para encher as nascentes, houve grandes geadas que crestaram as flores, ventos fortes que fizeram cair os frutos, enfim, um rol de lamentações que afecta sempre os que trabalham no campo e vivem do que a terra dá.
Mas nem tudo é mau. As nêsperas não são muitas mas são muito doces, os marmelos estão a crescer e os figos também já se vêem embora ainda sejam pequenos.

A parte mais aborrecida, foi que logo no dia seguinte à chegada apanhei uma grande constipação e, como não trouxe Aspirinas, estou a curá-la com Chá de Gengibre, Tomilho e Limão. E posso dizer-vos que estou muito melhor. Hoje já fomos à cidade (Castelo Branco) à Biblioteca e às compras.

Vou tentar abrir O Meu Estaminé com mais frequência, embora sem fotos, porque ainda não sei metê-las no computador portátil.
Desejo-vos um óptimo fim de semana.
Aqui em Castelo Branco vai haver Festival dos Templários (não sei se é este o nome correcto) e costuma ser muito animado.

Beijinhos da

Bombom (Tia Fátima ou Avó Fátima)




abril 26, 2015

XAROPE OU CONCENTRADO DE LIMÃO


Nesta altura do ano, mesmo com o Tempo a pregar partidas, já sabe bem um refresco para acalmar a sede e hidratar o organismo. Por essa razão, lembrei-me de voltar a publicar a receita do Xarope ou Concentrado de Limão que uso cá em casa.
É muito simples, fácil de fazer e muito saudável. Sim, leva açúcar, mas depois dilui-se na água e é fácil de dosear.

Xarope de Limão

800 g de açúcar
250 ml de água
250 ml de sumo de limão (cerca de 6, médios)
raspa da casca de 2 limões

Raspe a casca de 2 limões para uma tigela e junte 250 ml de sumo. Reserve.
Num tachinho, junte 250 ml de água com o açúcar, mexa e leve ao lume forte até levantar fervura. Baixe então o lume para o mínimo e deixe cozinhar destapado durante 5 minutos exactos.
Retire do lume e junte a mistura de limão. Mexa bem e de seguida verta em frascos esterilizados.
Cubra com uma rodela de papel vegetal embebido em álcool e feche hermèticamente.
Guarde em local escuro e fresco. Depois de aberto, guarde no frigorífico.

Notas:
- Para servir, junte 1 colher de sopa de Xarope de Limão num copo de água fresca e mexa.
- Se for muito guloso, ponha 2 colheres de sopa.
- Como é um Xarope (concentrado) não precisa de se conservar no frigorífico, mas torna-se mais agradável se for servido fresquinho. (Eu guardo-o no frigorífico).
- Pode usar também para acompanhar Panquecas, enxaropar Bolos ou enfeitar Gelados.
- Não caia na tentação de substituir o açúcar por edulcorantes químicos. Esses sim, são um veneno para a sua saúde.
- Para manter a vitamina C, é importante não deixar ferver o sumo do limão. Por isso se retira do lume (pára a fervura) e só depois se junta o sumo.
- Receita inspirada na do Chefe Silva, na Teleculinária n° 275.

Tenham uma boa semana! Beijinhos da

Bombom (Tia Fátima ou Avó Fátima)

abril 19, 2015

COMO RECICLAR MEIAS DE VIDRO VELHAS?...


Nos tempos idos da minha infância, as meias de vidro velhas serviam para fazer as "bolas de trapos" com que os meus irmãos brincavam.
Hoje os tempos são outros e já ninguém tem de confeccionar os seus próprios brinquedos.
No entanto, as meias de vidro cá em casa não faltam. Por mais cuidado que tenha, sou um fracasso!
Só que, desde que li o livro da Mónica Duarte "A DONA DE CASA PERFEITA" nunca mais as deitei fora.
Tinha o escadote na despensa encostado à parede e já estava a fazer uma mancha escura de tanto roçar.
Depois de lavar muito bem a parede, forrei o cimo do escadote com as meias velhas bem esticadas e prendi com dois alfinetes pequenos (também podia ter dado um alinhavo).


Comecei pelas biqueiras e fui enrolando em volta, esticando o máximo.
Fiquei com o problema resolvido e reciclei as meis velhas!
Para este efeito, a Mónica sugere as meias tipo "soquetes" e acrescenta outras soluções, tais como:
- quando for viajar e fizer as malas, meta dentro de meias velhas os sapatos das crianças.
- proteger o chão da casa quando arrastar as cadeiras ou sofás ("calce" as meias nas pernas das cadeiras).
- guardar os óculos de protecção (serve de bolsa). 
Se tiverem outras sugestões, elas serão sempre bem vindas e com os respectivos créditos.
O livro acima referido é um dos indispensáveis na minha colecção. Um tesouro que vale a pena ter!

Tenham um bom Domingo.
Beijinhos da

  Bombom (Tia Fátima ou Avó Fátima)

abril 15, 2015

FOLAR DE CARNE



No rescaldo da Páscoa e da Pascoela, ainda se pode falar em Folares.
Desta vez, trago-vos a receita de um Folar de Carne do tipo de Trás-os-Montes, que me fez lembrar dos sabores de quando era pequena e a minha avó Cristina o fazia nesta altura do ano. Ela era madeirense, mas o meu avô que eu já não conheci era de Bragança e, como tal, apreciava as iguarias da sua terra. E ela era uma cozinheira "de mão cheia"!
Este foi feito por uma das minhas irmãs que encontrou a receita na Net, mas eu não consegui encontrar o link. Por isso, peço que se alguém localizar a origem, me informe para eu poder dar os devidos créditos ao seu autor.
Obrigada Mana, por esta receita  que tão boas recordações me traz.

Folar de Carne

Ingredientes:

15 g de fermento fresco de padeiro (1/2 cubo)
0,5 dl de água morna
2 colheres de sopa de azeite
60 g de banha
60 g de manteiga
3 ovos
350 g de farinha de trigo T55 ou T65
Carnes : frango guisado, presunto, paio, chouriço, etc.

Preparação:
Dissolver o fermento na água morna com um pouco de sal.
Colocar os ovos em água morna (quentinha). Reservar.
Pôr num tachinho a manteiga e a banha e levar a lume brando para derreter. Retirar do lume, juntar o azeite e reservar.
Colocar a farinha num alguidar ou tigela grande e fazer um buraco no meio. Juntar o fermento dissolvido e envolver um pouco. Adicionar o azeite, a banha e a manteiga derretida morna e amassar.
Juntar os ovos um a um, batendo sempre entre cada adição, até a massa se desprender do fundo da tigela (ou alguidar).
Polvilhe com farinha, cubra com um pano e deixe levedar durante 1 hora em sítio aquecido ou até dobrar de volume.
Passado esse tempo, unte um tacho com banha e forre-o com 2/3 da massa. Disponha as carnes no fundo, uniformemente e cubra com a restante massa. Deixe levedar durante mais 30 minutos em local aquecido.
Aqueça o forno a 180° C. Pincele o folar com gema de ovo e leve ao forno durante cerca de 30 minutos.


Pronto a servir...
Beijinhos da

Bombom (Tia Fátima ou Avó Fátima)

abril 06, 2015

E ESTA, HEIM?...


                      Na bancada de mármore da cozinha

A minha idade já vai avançada, mas nunca tinha tinha presenciado um tal fenómeno. E não é do Entroncamento, é da Paiágua, a minha aldeia da Beira Baixa.
Nas vésperas da Páscoa, ao abrir um ovo para fazer o Folar Tradicional, deparei-me com este ovo sem gema!

                              Com mais luz, no parapeito de uma janela

Já algum dos meus leitores (as) viu uma coisa assim? E na Paiágua?
Para mim foi uma grande admiração. Fiquei sem saber o que fazer...
Eu sei que as galinhas são bem tratadas e que comem milho de produção própria. Mas pelo sim pelo não, deitei fora a clara (com muita pena minha).

Aqui para os meus lados hoje está " morrinhando", ou seja chovendo miudinho, mas espero que passem a segunda-feira pascal com alegria no coração. Uma boa semana.
Beijinhos da

Bombom (Tia Fátima ou Avó Fátima)

abril 01, 2015

FOLAR TRADICIONAL DA PÁSCOA



Pela primeira vez, consegui fazer um Folar bem a meu gosto, fofinho e gostoso que até parecia de compra!
Aliás, dois folares grandes com uma receita.
Tinha guardado há muito esta receita da Vera Ferraz do Hoje Para jantar e ontem foi a vez de a pôr em prática.
http://hojeparajantar.blogspot.pt/2013/03/folar-tradicional-com-ovo.html

Troquei os ovos cozidos por açúcar baunilhado caseiro e usei fermento de padeiro fresco, em cubos que se compram nos supermercados (na zona da Padaria).
Tanto os Pães vulgares como os Pães doces tipo Brioche, ficam muito mais macios e bem texturados com o fermento fresco do que com o fermento seco de padeiro. Podem consultar as tabelas de conversão aqui:
http://receitasdatiafatima.blogspot.pt/2014/10/tabela-de-equivalencias-para-fermentos.html
Eu uso a MFP (máquina de fazer pão) para bater as massas lêvedas (as minhas artroses não me deixam amassar à mão) e uso uma técnica diferente para o fermento fresco.
Amorno o leite ou a água  (37°), dissolvo o fermento e deito na cuba. Junto o açúcar e outros líquidos como ovo batido ou manteiga derretida. Por cima ponho a farinha e por fim o sal.


Folar Tradicional

1 ovo batido
250 ml de leite morno
2 colh. de chá de fermento seco de padeiro ou 30 g de fermento fresco (usei uma tablete de 25 g)
110 g de açúcar
100 g de manteiga amolecida
580 g de farinha de trigo T55 ou T65
1 colh. de café de canela 
1 colh. café de erva doce
1 colh. chá de flor de sal (ou sal marinho)

2 ovos cozidos para enfeitar
1 ovo para pincelar ou leite

MFP - Programa Massas (6)

Dissolva o fermento no leite morno e deite na cuba. Junte o açúcar e os ingredientes líquidos ( ovo batido e manteiga derretida). Acrescente a farinha misturada com a canela e a erva doce e por fim, o sal.
Findo o ciclo, retire a massa para a bancada enfarinhada e amasse um pouco para retirar o ar. Molde 2 "pães" e coloque-os num tabuleiro grande forrado com papel vegetal de culinária, distanciados um do outro.
(Eu costumo fazer uma prega ao meio, com o papel vegetal).
Cubra com um pano e deixe levedar num sítio aquecido até dobrar de volume, cerca de 50 minutos a 1 hora.
Antes de irem a cozer, coloque um ovo cozido no cimo de cada folar e prenda com umas tiras de massa.
Pincele com ovo batido ou leite e leve ao forno pré aquecido a 180° C, durante 20 a 25 minutos, até dourar.

 Notas:
A receita original de que vos dei o link lá em cima, tem o Modo Tradicional, para quem não tem MFP.
Não deixem de passar por lá.

Aproveito para desejar a todos os "clientes" do Meu Estaminé, uma Páscoa muito Feliz.
Que seja um tempo de Reconciliação e União para todos. Sejam Felizes!
Beijinhos da

Bombom (Tia Fátima ou Avó Fátima)


março 08, 2015

MUFFINS DE CHOCOLATE LINDT COM CRUMBLE E RUIBARBO


Antes de irmos à receita, trago-vos uma pergunta:
- Acham que Muffins e Cupcakes são a mesma coisa?

Eu nunca tinha pensado nisso e achava que era igual, mas afinal não é.

Os Cupcakes são mais pequenos que os Muffins e são sempre doces. São feitos com manteiga e decorados com cremes, regados com xarope ou cobertos com chocolate ou frutas, etc.

Os Muffins são maiores e nem sempre são doces.  São feitos com óleo vegetal, têm aspecto mais rústico e não se decoram.

Muffins de Chocolate com Crumble e Ruibarbo

Para o Crumble

100 g de farinha
50 g de açúcar
50 g de manteiga sem sal, gelada

Para os Muffins

200 g de Chocolate Lindt Excellence 70% cacau
250 g de ruibarbo
2 ovos
75 g de açúcar em pó (icing sugar)
200 ml de leite
100 g de óleo de girassol
1 pitada de sal
sementes raspadas de 1 vagem de baunilha
250 g de farinha de trigo
1 colher de sopa de cacau em pó
1 colher de chá de fermento em pó

Prepare o Crumble: Misture numa taça todos os ingredientes e, com a ajuda das pontas dos dedos, forme uma massa areada (crumbly). Reserve.
Descasque o ruibarbo e corte-o em pequenas rodelas. Reserve.
Coloque as formas de papel frisado no tabuleiro dos muffins ou queques. Reserve.
Parta o chocolate em pequenos dados e derreta-o em banho-maria. Reserve.
Ligue o forno a 180° C.

Numa tigela, misture a farinha, o fermento, o cacau e o sal. Reserve
Noutra tigela maior, misture os ovos, o açúcar, o leite, o óleo e as sementes de baunilha. Bata bem e acrescente metade do chocolate derretido (100 g). Misture tudo e vá acrescentando a mistura de farinha, aos poucos, até obter uma massa homogénea.
Verta nas formas até cerca de 2/3 da sua capacidade e insira pedaços de ruibarbo em cada forma, carregando para os introduzir na massa.
Polvilhe com o crumble e leve ao forno cerca de 20 a 25 minutos.
Retire-os do forno e deixe arrefecer numa grade.
Quando estiverem frios, cubra com o restante chocolate derretido e deixe secar.

NOTA - Como em Portugal não é fácil encontrar ruibarbo, podem substituir por pedaços de morango, framboesa ou outra fruta ácida para contrastar.

Desejo que tenham um fim de semana "em beleza"!
Beijinhos da

 Bombom (Tia Fátima ou Avó Fátima)