UMA "FUGIDINHA" ATÉ SERPA

Vista geral de Serpa
 
Na semana passada comemorámos 49 anos de casados, com um passeio pelo Alentejo.
Já só nos faltava conhecer este pedacinho de Portugal (Continental): Serpa, Moura e Barrancos.

Uma das diversas Portas de Serpa

O Centro Histórico intramuros tem muito para descobrir.
O Castelo de origem árabe foi reconstruído nos fins do séc. XIII e ficou muito danificado em 1707. Hoje restam as suas ruínas e grandes extensões de muralhas que embelezam algumas das suas ruas.


As ruas estreitas são ladeadas de casas brancas, umas simples com chaminés castiças de tipo árabe, outras senhoriais como a que se vê na foto acima.


Passeando na Rua dos Fidalgos, encontramos este excerto de muralha de um lado e no lado oposto uma série de casas burguesas do séc. XIX ...


...com o escudo heráldico indicativo da família.

Serpa tem muitos motivos de interesse: o Museu de Arqueologia, o Museu de Etnografia, o Museu do Relógio, o Palácio dos Condes de Ficalho,  diversas Igrejas, a Torre do Relógio ( que está toda tapada por causa das obras) e um belo Jardim Municipal que está fechado há 2 anos porque há-de entrar em obras(!!!) e só se vê de fora. São as incongruências de uma Autarquia que tinha a obrigação de ser mais eficiente.
A esta minha crítica acrescento outra que é o facto de estar muito mal assinalada para os turistas. Andámos perdidos umas poucas de vezes e valeu-nos a população que é de uma atenção e simpatia extrema.


Esta é a fachada da Igreja de Santa Maria que fica situada no Largo dos Santos Próculo e Hilarião e em frente da qual se ergue a Torre do Relógio.
Os Santos Próculo e Hilarião, que estão representados sobre a porta, são naturais de Serpa, o que para mim foi uma novidade. 
Ficámos alojados na Casa de Serpa, um Turismo Rural muito simpático que fica situado mesmo no centro histórico.
No dia seguinte rumámos a Moura e Barrancos. O relato vem já a seguir...

Beijinhos da 
Bombom 

SOPA DE BELDROEGAS



As beldroegas são uma planta que se dá bem aqui na minha aldeia da Beira Baixa.
São consideradas como uma planta inferior, tal como a urtiga branca e pouca gente as aproveita.
No entanto, é uma planta que contém potássio, cálcio, ferro, magnésio e selénio. É rica em Ómega 3 e vitamina A, B e C, ácido fólico e salicílico e glutationa que protege as células dos processos carcinogénios.
Tem folhas pequenas e carnudas e com elas se faz uma sopa deliciosa. 
No Alentejo é muito famosa esta Sopa que é acompanhada no prato por fatias de pão alentejano  e pedaços de queijo de cabra seco ou fresco.


Como nascem rente ao chão, têm de se escolher e lavar muito bem. Só se aproveitam os raminhos verdes e descartam-se todos os talos (que são muito rijos).

Sopa de Beldroegas

1 bom molho de beldroegas
1 cebola grande
2 dentes de alho
1 folha de louro (sem a nervura do meio)
3 colheres de sopa de azeite virgem
1 pitada de sal e pimenta
400g de batatas ou 1 curgete em dados pequenos
 1 litro de água quente (ou um pouco mais se necessário)

Preparação:
Lave muito bem as beldroegas e escolha os raminhos pequenos e folhas. Reserve.
Descasque a cebola e os alhos, lave-os e seque numa toalha de papel. Pique-os e reserve.
Descasque as batatas, lave-as e corte-as às rodelas. (Não usei).
Se preferir, lave e descasque a curgete e parta em dados pequenos.

1 - Num tacho aqueça o azeite e salteie a cebola, os alhos picados e o louro. Quando a cebola começar a alourar junte as beldroegas e deixe cozinhar mais um pouco. Retire o louro e descarte.
2 - Junte 1 litro de água e acrescente as batatas (se usar) e a curgete. Tempere de sal e pimenta e deixe levantar fervura. Reduza o lume para mínimo e deixe cozinhar por 30 a 40 minutos.


 Nota:
- Não usámos batatas, por opção.
- Acompanhámos com fatias de pão torrado e queijo fresco.
- Foi a primeira vez que fiz e que provámos e gostámos muito.

Com um abraço da vossa Amiga

Bombom


CHRISTMAS CHUTNEY (SPICED FRUIT)


 Quem me acompanha, sabe como aprecio os sabores agridoces a acompanhar as refeições de carnes assadas.
Há uns anos, ofereceram-me um "Christmas Chutney" (Chutney de Natal) e, como sempre que provo algo novo, anotei os ingredientes. Nestas coisas, o problema são as quantidades de cada elemento para tudo ficar equilibrado. E assim, a nota foi ficando adormecida na gaveta.
Há dias voltei a encontrá-la e achei que merecia ser experimentada. Gostei muito da textura e dos sabores "spicy" (da mistura de especiarias).
Ficou com um tom escuro devido ao vinagre balsâmico. Se preferirem, usem vinagre de champanhe, de framboesa ou de maçã (cidra).


Christmas Chutney (Spiced fruit)

Ingredientes:
2 c. de sopa de azeite
1 cebola média (ou  1 roxa e 2 chalotas)
100 g de açúcar amarelo ou mascavado
100 ml de vinagre balsâmico
100ml de vinho do Porto ou Madeira
50ml de água
2 maçãs verdes Granny Smith
3 maçãs tipo Royal Gala (1 kg no total de maçãs)
80 a 100g de alperces picados
1 mão cheia de passas sultanas (opcional)
2cm de gengibre fresco ralado
2 hastes de tomilho fresco (ou 1 c. de café de tomilho seco)
noz moscada q.b. (1/2 c. de chá)
1 c. de chá de sal fino

Nota: Pode usar 1 c. de café de "mixed spice" (mistura de especiarias), em vez da noz moscada e do tomilho seco.

Preparação
Prepare uma tigela grande com água e sumo de 1 limão. Junte as maçãs descascadas e partidas aos quartos. Parta os gomos aos cubinhos e reserve.
Num tacho largo refogue as cebolas picadas com o azeite até estarem transparentes.
Junte as maçãs, os alperces picados e as sultanas.
Acrescente o Vinho do Porto, o vinagre balsâmico, a água e o açúcar
Mexa, tempere com o gengibre ralado, o tomilho, a noz moscada e o sal.
Logo que levante fervura, baixe o lume para o mínimo e deixe cozinhar em lume brando durante cerca de 30 minutos, mexendo de vez em quando.
Quando tiver a consistência de compota, retire os "fios" das hastes do tomilho e deite em frascos esterilizados. Coloque uma rodela de papel vegetal embebido em álcool na boca dos frascos e tape com tampa hermética.
Rende 3 frascos médios (grandes).

Se experimentarem, digam a vossa opinião.
Beijinhos da

Bombom

PREPARANDO O NATAL...


Este ano foi-me difícil conseguir o "élan" necessário para os preparativos do Natal.
Com os dois filhos, noras e netos bem longe do alcance da minha vista e do meu abraço, quase não apetece enfeitar a casa ou preparar presentes.
Mas como temos de dar muitas Graças por todos estarem bem, há que ultrapassar as saudades e não pensar em tristezas.


Ontem eu e o marido fizémos a árvore de Natal e o Presépio; enfeitei a casa como habitualmente e hoje fiz mais um centro de mesa. Gostámos do resultado.


Para todos os que me acompanham através de O Meu Estaminé, ficam os votos de UM FELIZ NATAL. Que o Novo Ano seja portador de muitas Alegrias e Sucesso nos vossos empreendimentos.
Recebam um abraço com muita estima, da

Bombom

SCONES


Quando nos apetece qualquer coisa diferente e rápida para o lanche, não há melhor do que uns "scones" que tanto se podem servir com um doce de frutas ou com um queijinho fresco ou curado, conforme os gostos.
Das muitas receitas que tenho, escolhi esta da minha amiga Isabel, do blog Cozinhar Com Os Anjos. 

SCONES

2 chávenas de farinha de trigo sem fermento T55 ou T65 (400 ml)
3 colheres de chá de fermento em pó Royal
1/2 colher de chá de sal
3 colheres de sopa de açúcar

1/4 de chávena de manteiga derretida
2 ovos
1/3 de chávena de leite (67ml)

Pré-aquecer o forno a 180º C e untar formas de queques ou forrar simplesmente um tabuleiro com papel vegetal de culinária.
Misturar os ingredientes secos numa tigela.
Noutra tigela , pôr o leite, os ovos e a manteiga derretida.
Mexer e juntar o preparado aos ingredientes secos.
Envolver bem com a colher de pau, sem bater muito.
Deite colheradas de massa nas formas preparadas, ou faça bolas com a ajuda da colher de sobremesa (ou de chá, consoante o tamanho que preferir) e coloque no tabuleiro, afastadas umas das outras.
Leve ao forno durante 15 minutos até alourarem.

Como vêem, é muito fácil e rápida!
Bom fim de semana.
Beijinhos da

Bombom


OMELETES SAUDÁVEIS NO MICROONDAS


Esta é a embalagem que contém o utensílio que permite fazer omeletes no microondas, sem gordura.
Veio comigo também na última viagem aos EUA e custou 3.99 dólares, cerca de 3.20 euros.
Vejam só o que a Tupperware não lucra!!!


Funciona como se fosse uma frigideira (ou sertã).


 Batem-se os ovos (2) com um pouco de sal e pimenta, salsa e um pouco de cebola picada. Coloca-se metade em cada lado e leva-se ao microondas e cozinha-se 30 segundos em potência alta. Retira-se, dá-se uma "mexidela" com uma espátula, de fora para dentro e leva-se de novo ao microondas por mais 40 segundos. Serve-se de seguida.
Esta é a minha receita que é um pouco diferente da que vem na embalagem e que me ofereceu algumas dúvidas.
Claro que podem usar outros ingredientes para enriquecer a omelete.


 Este utensílio também é "made in China"  e comercializado pela marca Goodliving de Hayward, Califórnia.  Parece-me no entanto de qualidade razoável.

Continuação de uma boa semana para todos.
Beijinhos da
Bombom

SHIPS DE BATATA OU MAÇÃ NO MICROONDAS


Depois de um Verão algo atribulado, volto com as melhores recordações dos dias que passei em Agosto perto de Rhod Island, com um dos filhos , nora e netinhos.
Já tinha saudades de voltar a abrir O Meu Estaminé!
Desta vez, trouxe de lá um utensílio que permite fazer batatas tipo "ships" (também conhecidas entre nós por pála-pála) , sem óleo, no microondas.

Aqui visto de lado.

Para quem tem problemas de visícula (tal como eu) e não pode comer frituras, é ideal.


Estas são as suas 3 valências: a tampa , com uma lâmina para fatiar, a taça transparente para conter as batatas fatiadas, a coroa onde se colocam as fatias e que se leva ao microondas sobre um prato de pirex ou cerâmica, durante 4 minutos exactos, e ainda uma peça para segurar a batata ao fatiar (em baixo à direita).

Pronto para ir ao microondas.

Ships de batata doce estaladiços e apetitosos por cerca de 4 euros.
E não consigo deixar de perguntar-me, por que é que não encontramos disto por cá à venda?...

Tenham uma boa semana. Beijinhos da

 Bombom