MASSA DE PIMENTÃO

Muito gostaria de vir aqui hoje contar-vos as minhas Aventuras na Feira Medieval "Dias dos Templários", mas infelizmente, não é esse o caso. Uma valente crise de visícula deixou-me este fim de semana em baixo de forma e "perdi este combóio". Ficará para o ano, porque a esperança nunca morre.
Como já vou estando um pouco melhor e mais animada, lembrei-me de vos oferecer a receita da Massa de Pimentão tal como a fazem aqui na Paiágua, a minha aldeia da Beira Baixa.


Nesta altura em que ainda há muitos pimentos é altura de os preparar para conserva, congelar e fazer a massa que usaremos no Inverno nos temperos dos assados.
Passei há pouco pelos http://ostemperosdaargas.blogspot.com/2012/09/conservar-pimentos.html
e, se quiserem aproveitar as suas sugestões, não se arrependerão.
Aqui na aldeia faz-se agora a massa de pimentão que vai ser usada na confecção dos enchidos (chouriço, paio, farinheira, etc) quando em Novembro e Dezembro se começar a matar o porco.

Massa de Pimentão

1 kg de pimentos vermelhos
0,5 kg de sal marinho
1 a 2 dl de azeite virgem

Lavam-se os pimentos e secam-se num pano.
Com uma faca bem afiada corta-se o pedúnculo e abre-se cada pimento ao meio (no sentido longitudinal). Retiram-se as pevides e as peles amareladas do interior.
Cortam-se os pimentos em tiras finas para um alguidar.
Numa tigela grande de pirex deita-se um camada de tiras de pimento, cobre-se com uma porção de sal marinho; outra camada de tiras de pimento, outra camada de sal, e assim sucessivamente, até acabarem os ingredientes.


Tapa-se a tigela e deixa-se ficar em sítio fresco durante 3 dias. Não precisa de ser no frigorífico.
Passado esse tempo, o pimento reduz de volume, perdendo a própria água que se mistura com o sal.
(Parece que fica a nadar).
Deita-se tudo para um tacho (de preferência de inox), tapa-se e leva-se a lume brando deixando cozinhar por cerca de 15 a 20 minutos. (Cuidado para não se evaporar a água).
Retira-se do lume e escorre-se muito bem num passador de rede.
Passa-se o pimento bem escorrido pelo passe-vite de ralo médio e deita-se numa tigela.
Junta-se o azeite a pouco e pouco batendo bem com a colher de pau (como quem faz maionese) até emulsionar bem e obter um creme espesso. Enchem-se frascos esterilizados que se tapam com tampa hermética.
Guardam-se em lugar escuro e fresco. Depois de abertos, podem guardar-se no frigorífico apenas por precaução, pois o sal e o azeite já são um bom conservante.
Para os assados basta usar uma colher de chá de Massa de Pimentão. Não esqueça que esta Massa já tem bastante sal.
Quando chegar a Lisboa, junto as fotos que aqui faltam.
Com votos de uma boa semana, beijinhos da

Bombom (Tia Fátima ou Avó Fátima

FEIRA MEDIEVAL - "DIAS DOS TEMPLÁRIOS"


É já neste fim de semana, no castelo da cidade de Castelo Branco.
Começa amanhã dia 28 de Setembro pelas 19 horas, com a leitura da Carta de Abertura.
Pelas 19h e 30m, abrirá o Mercado Medieval e pelas 21h e 30m actuará o Grupo de Adufeiras da USALBI (a Universidade Sénior).
Também haverá um Treino de Escudeiros e Cavaleiros num combate apeado, pelo Grupo de Espadas Templário e uma coreografia com Danças e Fogo.
A Feira inclui um Mercado de Artesãos, uma Área de Tormentos, o Assalto ao Castelo, espectáculos de rua, de Fogo e de Espadas, Teatro ao ar livre e uma área destinada à Gastronomia.
No sábado haverá a Leitura do Foral de Castelo Branco, espectáculos de Falcoaria, animação musical.
As festividades terminarão no domingo dia 30, com a leitura da Carta de Encerramento dos Dias Templários.
Se estiver perto da Castelo Branco e gostar de História, tem uma boa oportunidade para se divertir e valorizar o seu fim de semana.
A organização garante o transporte para o evento.

Um bom fim de semana para todos e uma "cunha" ao São Pedro para que não chova (he,he).


Beijinhos da

Bombom ( Tia Fátima ou Avó Fátima)


BISCOITINHOS DE LIMÃO



Não sei se sabem, mas encontro-me por mais uns dias aqui na aldeia que "herdei" pelo casamento. He,he, pensavam que eram só as princesas que levavam terras como dote?
É que eu era uma alfacinha de Lisboa que invejava as minhas colegas da escola porque todos os anos elas iam de férias "à terra " e eu não tinha terra para onde ir!
Mas não se iludam, eu só herdei terra, assim como a do Gato das Botas: "Tudo o que vocês vêem é tanto meu como do meu irmão", (he,he)!
E ainda bem que assim é, senão agora levava com a Troika no IMI e era uma dor de cabeça! Chega-me bem o quintalito, he,he!
Este ano vim acompanhada de um computador portátil, para ver se não estava tanto tempo sem vos visitar e sem conversar convosco.
Ontem escrevi um post a saudar o Outono e no fim de uma grande prosa, carreguei para aqui não sei em que botão e a prosa foi à vida.
Desapareceu tudinho e não ficou cá nada!
Fiquei pior que estragada, claro, e quem pagou foi...a D. Culinária.
Fiz uns deliciosos Biscoitinhos de Limão que vi no blog da amiga Renata Boechat, o Eternos Prazeres. Vejam aqui
http://eternosprazeres.com/2012/09/biscoitinhos-de-limao.html

Não ficaram tão chiques como as dela, mas de sabor são divinais.
Aqui vai a receita pois vale a pena experimentarem.

Biscoitinhos de Limão

1/2 xícara de manteiga amolecida
1 e 1/2 xícara de farinha de trigo
raspa de 2 limões (usei só 1 grande)
3/4 de xícara de açúcar
2 gemas grandes
sumo de limão ou água gelada q.b.

Numa tigela grande coloque a farinha, a manteiga e a raspa de limão. Com as pontas dos dedos, misture até formar uma farofinha (areia).
Adicione o açúcar e as gemas e misture tudo. Se a massa estiver seca, junte um pouco de sumo de limão ou água gelada, aos poucos, até ela ficar macia e homogénea.
Embrulhe em película aderente (film) e leve ao frigorífico durante 30 minutos.
Aqueça o forno a 180º. Forre 2 tabuleiros (assadeiras) com papel manteiga ou vegetal de culinária (tipo Glad).
Faça bolinhas de 2,5 cm com a massa e disponha no tabuleiro à distância de 4 cm. 
Asse durante 12 a 15 minutos, até ficarem dourados.
Deixe arrefecer no tabuleiro por 3 minutos. Depois coloque-os numa grade e deixe arrefecer.
Quando estiverem completamente frios, guarde em frascos ou caixas herméticas.

Façam e depois digam se gostaram.
Uma boa semana para todos os que passarem por aqui.
Beijinhos da

Bombom (Tia Fátima ou Avó Fátima)

RECEITA PARA A MARIA, DA OFICINA DAS PAPITAS

                                     Bolo Salgado de Abóbora 

A Oficina das Papitas vai fazer um aninho no dia 21 de Setembro. 
http://oficinadaspapitas.blogs.sapo.pt 
Parabéns, Maria!
É um blogue dedicado aos filhos, que estão longe de casa (e eu sei o que isso significa) e têm de cozinhar para si.
Acontece que a Maria neste Verão teve uns percalços que a fizeram estar mais tempo longe da sua Oficina.
Se tudo correr bem, no dia 21 ela voltará em força e haverá uma grande festa.
Entretanto, para a Oficina das Papitas continuar a funcionar até lá, a Maria pediu para lhe enviarmos uma receita, que no dia 21 estará na mesa da festa.
A receita que aqui deixo hoje , embora com algumas variações por minha conta, é de uma querida amiga que tem um blog muito gostoso, que merece a vossa visita. Verão que não se vão arrepender!
Muitas de vocês já a conhecem: refiro-me à Léia do Cucchiaio Pieno.
A receita original podem encontrá-la em www.cucchiaiopieno.com/2012/05/bolo-salgado-de-abobora.html
Usei uma forma de bolo inglês e um tabuleiro para 6 queques. 

 Bolo Salgado de Abóbora

180g de farinha de trigo (uso Branca de Neve)
3 ovos
100 ml de leite meio gordo
100 ml de azeite virgem (usei só 50ml)
100g de queijo Gruyère ou Emmental
200g de abóbora (usei curgete)
100g de queijo Parmesão ralado
1 colher de chá de pimenta preta ou calabresa (usei pimenta 5 bagas)
1 mão cheia de pinhões (pus 2)
15 g ou 1 colher de sopa de fermento em pó
sal qb.

Pré aqueça o forno.
Unte e enfarinhe uma forma de bolo inglês ou formas para queques, com um pouco de margarina líquida.
A de bolo inglês pode ser só forrada com papel vegetal próprio (uso Glad).
Rale grosseiramente a abóbora. Esmague a polpa ralada na palma das mãos de modo a retirar todo o líquido. Numa tigela, bata ligeiramente os ovos, o leite, o azeite, o parmesão e a abóbora.
Adicione a farinha de trigo, o queijo Gruyère, a pimenta e os pinhões. Prove antes de adicionar o sal pois o queijo já tem algum. Rectifique se for necessário. Acrescente o fermento peneirado e misture delicadamente.

            Forma de bolo inglês forrada com papel vegetal Glad

Despeje a mistura na forma ou formas de queques.

                                                Formas de queques
Leve ao forno imediatamente e deixe assar durante 30 a 40 minutos na forma grande e apenas 15 a 20 minutos nas dos queques.


Deixe arrefecer antes de desenformar.


Estes são os Queques de Abóbora, Pinhões e Fiambre, para a mesa da festa ou para o jantar dos filhos da Maria.
E este é o Bolo Salgado. São servidos?


Esta receita vegetariana é só por si, uma óptima refeição, muito saudável e nutritiva. No entanto eu tinha cerca de 125 g de fiambre que queria aproveitar. Cortei-o em tiras e depois em pequenos quadradinhos, e juntei à massa. Também podia ter acrescentado azeitonas pretas sem caroço, mas já não tive tempo. Ficará para outra experiência. A salsa ou o cebolinho também ficariam aqui muito bem, mas eu não tinha à mão.
Tanto os Queques como o Bolo Salgado, podem ser servidos com uma boa Salada Mista, ou acompanhados de um bom Molho BBQ. de Tomate ou Ketchup.
Tenham um óptimo resto de semana e até breve.
Beijinhos da

Bombom (Tia Fátima ou Avó Fátima)

ANTIGO QUARTEL DE CAVALARIA DE CASTELO BRANCO

                                                    Licenciamento

Há já algum tempo que queria mostrar-vos estes painéis de azulejo, mas o meu "amigo"  (de Peniche) Blogger.com, virava-me as fotos ao contrário. Cheguei a metê-las ao contrário para ver se saíam direitas, mas qual?! Ficavam viradas para o outro lado... e desisti. Hoje voltei a tentar e já deu certo. Se é para isto que eles andam sempre com mudanças, mais valia estarem quietos!
Mas vamos ao que interessa e perdoem-me o desabafo.

                                          Incorporação

Um dos acessos ( e até há pouco tempo o único) à Biblioteca de Castelo Branco é a antiga entrada para o Quartel Militar de Cavalaria, que fica junto da principal praça da Cidade, a Devesa.
Este Quartel foi desactivado há uns anos e os edifícios que o compunham foram aproveitados para Serviços. Num deles funcionou a RTP Centro, que hoje já não existe mais...

                                         Juramento de Bandeira

Quando estamos na aldeia, todas as semanas vamos à Biblioteca buscar e entregar livros. E sempre que passo por aquele portal e vejo os Quadros de Azulejo, me lembro do meu sogro que há muitos anos atrás, em 1929, por ali passou.

                              Limpeza dos Solípedes (Cavalos)

Muitas das histórias que nos contou, estão ali assinaladas, "fotografadas", quase reais!...

                                                    Teoria

Aqui fica a minha singela Homenagem,

                                            Posto à Cossaca

a todos os Militares que passaram


                                                 Marcha de Guerra

pelo Quartel de Cavalaria

                                                  Volteio

da cidade de Castelo Branco.
Tenham uma boa semana!
Beijinhos da

Bombom (Tia Fátima / Avó Fátima)

ANTIGUIDADES, OU VELHARIAS?





Alguém sabe que utensílio é este, aqui no meio da foto que vos mostro hoje?
Reparem bem: É feito em ferro, tem uma haste comprida, duas argolas e um gancho. Nesse gancho, em baixo, está colocado um peso. Não sei quanto pesa! Imperdoável, porque já ali está há alguns anos...
Pois é. Uma Balança Romana!
Para estar operacional, o peso devia estar colocado numa das argolas.
No gancho penduraríamos a rês que ia ser pesada.
Se o cabrito ou o porco a pesar tivesse 50 kg, só precisávamos de um peso de 5 kg. Essa era a vantagem das balanças romanas.
Esta era usada nos Mercados e nos Talhos. Hoje, já aposentada do seu trabalho, serve de decoração na minha casa da aldeia.
 Este é um prato da antiga Fábrica de Sacavém, que era do tempo dos meus sogros.
Eu nunca gostei de velharias, que achava uma tralha, coisa de velhotes...
A verdade é que com o tempo, passei a apreciar os objectos que nos trazem recordações.
Passei a estimá-los pelas suas memórias, pelas histórias que nos podem contar.
E isso quer dizer apenas que estou a ficar velhota mesmo!
A propósito: alguém se recorda deste serviço?

Esta pergunta é só para as "raparigas da minha idade" (he,he)!
Na casa da minha infância havia um serviço completo que se foi partindo com o uso (e o desuso) de uma família bem numerosa e,  reduzido a cacos, serviu de baixela para muitas brincadeiras no quintal, aos jantarinhos.
Muitos anos mais tarde, fui encontrar esta recordação lá na casa da aldeia e guardo-a religiosamente.
Ainda existe outra, mas sem o pires, para grande pena minha.
E por hoje, chega de Antiguidades. Para isso, já basto eu, he,he!
Beijinhos para todos os visitantes e amigos.

Bombom (Tia Fátima / Avó Fátima)