CÓDIGO DE ÉTICA DOS ÍNDIOS DOS E.U.A. ...E A PIZZA DA TIA SÃO

Já há uns tempos que ando com vontade de partilhar convosco, um texto que me chegou às mãos via Net.
Como é um texto algo extenso, tenho hesitado; mas gosto tanto de o reler e acho tão importante o seu conteúdo, que não resisto a transcrevê-lo aqui, como um Presente, para quem o queira aceitar.

CÓDIGO DE ÉTICA DOS ÍNDIOS DOS E.U.A.

Levante-se com o Sol para orar.
      Ore sozinho,
   Ore com frequência.
O Grande Espírito o escutará
   Se você ao menos, falar.

Seja tolerante com aqueles
que estão perdidos no caminho.
A ignorância, o convencimento,
a raiva, o ciúme e a avareza,
originam-se numa alma perdida.
Ore para que eles encontrem
o caminho do Grande Espírito.

Procure conhecer-se a si mesmo.
Não permita que outros façam
 o seu caminho por você.
 É a sua estrada e somente sua.
Outros podem andar a seu lado,
 mas ninguém pode andar por você.

Trate os convidados em seu lar
com muita consideração.
Sirva-lhes o melhor alimento, a melhor cama
e trate-os com respeito e honra.

Não tome o que não é seu.
Seja de uma pessoa, da comunidade,
da Natureza ou da Cultura.
Se não lhe foi dado, não é seu.

Respeite todas as coisas
que foram colocadas sobre a Terra.
Sejam elas pessoas, plantas ou animais.

Respeite os pensamentos,
desejos e palavras das pessoas.
Nunca interrompa os outros,
 nem ridicularize,
nem rudemente os imite.
Permita a cada pessoa
o direito de expressão pessoal.

Nunca fale dos outros de uma maneira má.
A energia negativa que você colocar
 para fora do Universo,
voltará multiplicada para si.

Todas as pessoas cometem erros.
E todos os erros
podem ser perdoados.

Pensamentos maus
causam doenças da mente,
do corpo e do espírito.
Pratique o optimismo.

A Natureza não é para nós,
ela é uma parte de nós.
Toda a Natureza faz parte
 da nossa família Terrena.

As crianças são
as sementes do nosso futuro.
Plante Amor nos seus corações
e regue-os com Sabedoria e lições de Vida.
Quando forem crescidos,
dê-lhes espaço para que cresçam.

Evite magoar os corações das pessoas.
O veneno da dor causada a outros,
retornará a você.

Seja sincero e verdadeiro
em todas as situações.
A honestidade é o grande teste
para a nossa herança do Universo.

Mantenha-se equilibrado.
Seu corpo Espiritual, seu corpo Mental
seu corpo Emocional e seu corpo Físico,
todos necessitam ser fortes,
puros e saudáveis.

Trabalhe seu corpo Físico
para fortalecer o seu corpo Mental.
Enriqueça o seu corpo Espiritual
para curar o seu corpo Emocional.

Tome decisões conscientes
de como você será e como reagirá.
Seja responsável
por suas próprias acções.

Respeite a privacidade 
e o espaço pessoal dos outros.
Não toque as propriedades
pessoais de outras pessoas
especialmente
objectos religiosos e sagrados.
   Isso é proibido!

Comece sendo verdadeiro consigo próprio.
Se você não puder nutrir e ajudar-se a si mesmo,
Nunca poderá nutrir e ajudar os outros.

Respeite outras crenças religiosas.
Não force suas crenças
sobre os outros.

Compartilhe a sua boa fortuna 
 com os outros.
Participe com caridade.


Conselho Indígena Inter-Tribal Norte Americano.
Deste Conselho participaram as tribos: Cherokee Blackfoot, Cherokee, Lumbee, Comanche, Mohawk, Willcow Cree, Plains Cree, Tuscarora, Sicangu, Lakota sioux, Crow, Northern Cheyenne


E agora, para recompensar o tempo que vos tomei, deixo-vos aqui uma receita de pizza muito rápida.
É uma receita "da família" que aprendi com a minha irmã S.
Cá em casa costumamos fazê-la sempre que há sobras de carne, peixe ou legumes, mas claro, o recheio é ao gosto de cada um.
Vamos precisar de uma colher de sopa funda, das antigas (he,he), para que as medidas dêem certo. É que as colheres modernas, por uma questão de "design", têm uma concha que não leva nada dentro!!!

                                                        A colher à moda antiga.

De qualquer modo vou pôr a medida entre parentesis.

     PIZZA RÁPIDA

350g de farinha de trigo com fermento (Tipo Branca de Neve)
12 colheres de sopa de leite (160 ml)
8 colheres de sopa de óleo (90 ml)
sal e pimenta qb.

                                                       A massa fica leve e esponjosa.

Deita-se a farinha numa tigela, abre-se uma cova no meio e deitam-se os restantes ingredientes.
Com a mão, misturam-se e amassam-se bem até a massa se soltar da tigela e formar uma bola.
(Esta fase é muito rápida).
Forra-se a forma com um pedaço de papel vegetal Glad.
Estende-se a massa com as pontas dos dedos e vai-se cobrindo o fundo da forma.

                                                         Pronta a ir para o forno

Cobre-se com molho de tomate (eu uso Q.B. da Guloso, mas também já vi de marca branca, no Continente e Modelo). Recheia-se ao gosto de cada um. Vai ao forno cerca de 20 minutos. Passado este tempo, cobre-se com queijo mozzarella ralado (ou mistura de 3 queijos) e deixa-se no forno por mais 5 minutos.

                                          Ao sair do forno 

Notas:
Esta Pizza era Tropical. Como não tinha ananás, pus rodelas de banana e cerejas descaroçadas.
Ficou muito gostosa e agradável.
Como era só para dois comensais, foi feita com metade da dose.
A  receita completa dá para 4 a 6 pessoas. É só uma questão de espalhar a massa numa forma ou num tabuleiro maior. Ficará, pois, mais fina. ( É como eu gosto mais.)
Meia dose: 175 g de farinha, 6 colheres de sopa de leite (80 ml) e 4 de óleo (45 ml).
Se forrarem a forma com papel vegetal Glad não sujam a forma. Poupam tempo, água, detergente e trabalho!
Esta massa é óptima para fazer pãezinhos de chouriço ou de salsicha! São ideais para as festas de aniversário da garotada!

E é tudo por hoje. Tenham um óptimo dia. Beijinhos da

Bombom = Tia Fátima = Avó Fátima

DIA DE SÃO PEDRO...O MEU DIA DOS NAMORADOS!

Hoje é dia de S. Pedro e feriado no meu Concelho, Sintra.
Mas o dia de S. Pedro é especial para mim e traz-me boas e gostosas recordações.
Faz hoje 42 anos que o A. (Provador Oficial do Meu Estaminé, he,he!) me pediu Namoro!
Tive direito a Rosas Vermelhas e tudo! Parece que ainda lhes sinto o aroma! Dizem que "Não há como um perfume para recordar um passado", mas para mim, é o contrário. O passado faz-me lembrar este agradável perfume...

Mas o que vos queria mostrar hoje, é o resultado da minha ida à aldeia.


As cerejas já estavam maduras e em hora de colheita. Aqui na varanda do piso de cima, é só deitar a mão e apanhar as que quisermos!
Depois fui ver como estava a azeitona de conserva. Retirei uma boa porção que pus a "demolhar" em água pura, para perderem o sal e se poderem comer sem fazer mal à saúde.


Já as provei e estão óptimas, mas ainda precisam de mais uns dias de molho. Ao todo, devem ser uns oito dias, portanto só amanhã ou depois é que estarão no ponto.
Esta qualidade de azeitona chama-se Galega: é preta e miudinha mas carnuda. Faz muito bom azeite e é a mais saudável para comer crua, de conserva, pois é a que menos toxinas produz no nosso organismo.
Há uns anos tive de fazer um tratamento naturista a uma Displasia e o médico restringiu-me alguns alimentos (ananás, banana, azeitona verde do tipo de Elvas...), mas disse-me que podia comer azeitonas pretas.
São servidas? (He,he!)...que malandrice!


Nunca tinha feito Doce de Cereja! Achava que não ficava nada de especial...e só fazia Doce de Ginja. 
Mas este ano resolvi experimentar e gostei bastante do resultado final. Não fica nada enjoativo e aquele travo amargo, ligeiro, dá-lhe um gosto muito agradável. Deve ficar muito bem no recheio de panquecas, bolachas, tartes e tortas (rocambole). Para mim, até assim simples com uma colher de gelado de natas ou baunilha para a sobremesa!!!
A receita? Será preciso? Eu acho que toda a gente já sabe, mas pode haver por aí algum novato que queira aprender...

DOCE DE CEREJA

1 kg de cerejas
800g de açúcar
1 pau de canela fino (opcional)

Lavam-se as cerejas, escorrem-se bem, retira-se o píncaro (pé) e descaroçam-se.
Colocam-se numa panela de inox e junta-se o açúcar. Deixa-se repousar durante uma hora.
Mexe-se e leva-se a lume brando. Vai-se retirando a espuma esbranquiçada que se formar, ao de cima. Deixa-se ferver por algumas horas até obter ponto de estrada.
Deita-se em frascos esterilizados que se cobrem com uma rodela de papel vegetal embebida em álcool
puro ou aguardente e tapam-se com tampa hermética. Guardam-se na despensa.

Notas:
1 - Experimentei com e sem pau de canela e gostei tanto de um como do outro.
2 - Ponto de estrada: Ponha um pires no frigorífico por uns minutos. Retire-o e deite-lhe uma colher de doce.
Deixe arrefecer  um pouco e passe uma colher de chá de um lado ao outro (ou o dedo mindinho). Se se mantiver a "estrada" entre eles, está pronto. Pode apagar o lume.
3 - O meu método de "selagem" dos frascos de doce é muito simples e eficaz.  Aprendi-o com a Maria de Lurdes Modesto, a quem devo muito do que sou como cozinheira. Nunca se me estragou um doce!

Muito obrigada pelas vossas visitas e comentários.
Uma boa semana. Beijinhos da

Bombom = Tia Fátima = Avó Fátima

E JÁ QUE FALEI DE EDUCAçÃO...

Como podem calcular, este tema da Educação "mexe" muito comigo. Ajudei a criar alguns dos meus irmãos mais novos (éramos nove filhos) e, além disso, a minha Mãe era Professora do Ensino Primário (que significa "primeiro", pois ainda não havia o Prè-escolar). Hoje chama-se Básico, mas vem dar ao mesmo.
Eu nunca quis ser Professora. Via a minha Mãe trabalhar de manhã na Escola onde era Directora, à tarde a dar explicações em casa e à noite sair para dar aulas aos adultos que eram obrigados a ter a quarta classe para poderem arranjar emprego ou não serem postos na rua...E lá em casa, o dinheiro nunca chegava. Os ordenados eram muito baixos e as despesas eram muitas, mesmo com muito equilíbrio.
Nesse tempo os Professores eram muito mal pagos e pouco prestigiados pela sociedade. Apenas eram bem tratados nas aldeias onde as pessoas, embora iletradas, sabiam dar o valor ao saber. Mas eu não queria ir sozinha para uma aldeia desconhecida e abandonar a minha Mãe e os meus irmãos. Não queria ser Professora!
Mas a vida dá muitas voltas e outras tantas reviravoltas. Talvez vos conte algum dia...
E eu tirei o Curso do Magistério Primário e "apaixonei-me" pela Psicologia Infantil. Lia tudo o que apanhava na Biblioteca e estudei muito.
E fiquei a trabalhar em Lisboa, num Bairro Social pobre, da periferia, o Bairro do Padre Cruz em Carnide.
Era o ano de 1963. Embora a sociedade já estivesse em transição de valores e de costumes, a maioria dos pais ainda preservava os valores do Respeito, da Autoridade, da Boa Educação, do Comedimento, do Bem, etc...
Nessa altura já se falava dos "traumatismos" das crianças, mas relacionados com os excessos e a violência que se verificava em algumas famílias quando castigavam os filhos, ou com alguns professores demasiado rigorosos e de mau íntimo. Era o caso dos pais que chicoteavam os filhos com o cinto de cabedal, ou dos professores que usavam uma régua a que se chamava "menina dos cinco olhos". Eu, felizmente, nunca vi nenhuma.
Onze anos passados foi o quanto precisámos para que a sociedade generalizasse este conceito e se abolissem os valores em que sempre acreditámos...

E fico-me por aqui. Talvez um dia continue...

Hoje não vos deixo nenhuma receita. Vou ver como estão as azeitonas de conserva que fiz este ano, ou melhor, no ano passado.
Em Novembro colhi as azeitonas da nossa oliveirita do quintal. Lavei-as bem e pus de molho dentro de baldes cheios de água pura da fonte da Serra da Guardunha e tapados com uma tampa. ( Se fosse com água da torneira, tratada com tantos químicos, ficavam todas moles e sem prestar). Ficaram na "loja" como chamam lá, ao andar térreo.
Em Janeiro lavei-as e mudei-lhes a água.
Em Abril escorri-as bem e mudei-lhes a água acrescentando sal bastante para tomarem gosto e não se estragarem.
Agora já se podem ir tirando porções para uma caixa ou frasco onde devem ficar com água pura para irem perdendo o sal. Vai-se substituindo a água todos os dias até estarem ao nosso gosto. Depois podem comer-se simples ou acompanhar com um molho feito com azeite, alho picadinho e tomilho ou orégãos.
No fim da semana dou-vos mais notícias. Uma boa semana para os que me visitarem.
Beijinhos da

Bombom = Tia Fátima = Avó Fátima

"COMO NÃO EDUCAR O SEU FILHO"

Costumo receber muitos Pps e Fww enviados por muitos amigos. Quase todos bonitinhos, mas sem história. Como sou muito selectiva (acho eu, claro, he,he!) leio e só reenvio os que "na minha tabela", achar que são mesmo bons. Hoje recebi um desses e em vez de o reenviar, (só o faço, com todo o gosto, se vocês pedirem),
resolvi pô-lo aqui, na montra do Meu Estaminé. O título é

COMO NÃO EDUCAR O SEU FILHO

O Departamento da Polícia do Texas publicou uma lista de 10 "conselhos" para criar um delinquente.

1 - Comece na infância a dar ao seu filho tudo o que ele quiser. Assim, quando crescer, ele acreditará que o Mundo tem a obrigação de lhe dar tudo o que ele deseja.

2 - Quando ele disser nomes feios, ache graça. Isso fá-lo-á sentir-se interessante.

3 - Nunca lhe dê qualquer orientação moral. Espere que ele chegue aos 21 anos e decida por si mesmo.

4 - Arrume tudo o que ele desarrumar: livros, sapatos, roupas, brinquedos. Faça-lhe tudo para que aprenda a atribuir aos outros toda a responsabilidade.

5 - Discuta com frequência na presença dele. Assim, não ficará muito chocado quando o lar se desfizer, mais tarde.

6 - Dê-lhe todo o dinheiro que ele quiser.

7 - Satisfaça todos os seus desejos de comida, bebida e conforto. Negar pode acarretar "frustrações prejudiciais.

8 - Tome sempre o partido dele contra vizinhos, professores e autoridades. (Todos têm má vontade contra o seu filho).

9 - Quando ele se meter nalguma complicação séria, desculpe-se dizendo que nunca o conseguiu dominar.

E, finalmente...

10 - Prepare-se para uma vida de desgostos.


A mensagem termina com estas palavras:
"Vivemos num mundo com tanta violência e visível falta de educaçâo!
Vale a pena pensarmos melhor nos valores que estamos a inculcar nos nossos filhos!
O Mundo precisa de gente de Bem e a responsabilidade também é nossa."

E para quem gosta de Provérbios e de Pensamentos, deixo-vos com estes...

" Criaste e não contrariaste, mal criaste."

" Quem bem te quer, te fará chorar."

"Eduquem as crianças, e não será preciso castigar os homens."  - Pitágoras

Um bom fim de semana para todos(as). Beijinhos da

Bombom = Tia Fátima = Avó Fátima

FALANDO DE NÓDOAS DIFÍCEIS...

Não há coisa mais "chata" do que ter de tirar nódoas da roupa. Então se forem de fruta e não as lavarmos logo, já se sabe que é peça de roupa estragada! Há dias, ao preparar morangos, saltou-me um pingo para a blusa e nem com a água e detergente que lhe pus logo em seguida, saíu a mancha. Então lembrei-me de lhe pôr água oxigenada... e foi remédio santo!
Para as vulgares nódoas de gordura, tenho sempre à mão tricloreto de etileno. Antigamente comprava-o avulso na Drogaria do meu bairro, mas agora, com as modernices e exigências da CE, já só o encontro com a marca Casulo. É do género da benzina, mas tem a vantagem de não deixar auréola. E enquanto houver no mercado, não compro outro, até porque os "sprays" tira nódoas que se vendem por aí, são muito bons na altura, mas deixam sinal nos fatos quando os mandamos limpar a seco.


Outro produto que tenho sempre à mão é o Supergel.
Há muitos anos, estava eu na Escola e manchei um casaco de malha novo com uma tinta ou verniz, não me lembro bem. Então, uma colega falou-me neste produto, com que tinha limpo um casaco muito mimoso que tinha usado num casamento. Eu experimentei logo e com muito sucesso: a nódoa saíu e o casaco ficou impecável.
Passado muito tempo, ao pintarmos as paredes do nosso quarto, virámos a lata da tinta por cima da alcatifa...enfim, precalços!!! Pois em menos de nada, com meio balde de água e uma porção de Supergel, tirámos a tinta toda e a alcatifa ficou como nova.


O Supergel vende-se nos supermercados em bisnagas pequenas e em latas de 1 kg.
Estas são mais usadas para limpar fardas de trabalho ou para limpar as mãos.
Cheira a petróleo, mas passa ao secar.
Tem grande utilidade para quem trabalha com tintas e vernizes, óleos, etc. Retira nódoas de gordura, óleos, alcatrão, nafta, tintas de óleo e de impressão, esferográfica e verniz. Retira nódoas de estofos e alcatifas. Na praia resolve o problema do alcatrão quando este se agarra aos pés ou à roupa. É um produto neutro, anti-séptico e tem pH fisiológicamente compatível com a pele. Não contém abrasivos nem cáusticos, nem hipocloritos, nem ácidos nem bases livres e é bio-degradável.
Foi sobretudo a pensar nas minhas leitoras que têm filhos pequenos candidatos a pintores em tudo quanto é sítio (he,he, dessa já me livrei! Mas que saudades...) que resolvi falar-vos deste tema. Espero que vos seja de alguma utilidade.
Beijinhos da

Bombom = Tia Fátima = Avó Fátima

PÃO DE MUESLI...NOVA RECEITA

Volto de novo ao tema do Pão, pois ainda há muito que dizer...
Sem pretender influenciar ninguém (he,he, esta é para uns Anjos malandrecos que eu cá sei, com um beijinho no meio!), tenho de confessar que sou muito preguiçosa e impaciente. Tudo o que dê muito trabalho e demore muito tempo, não é para mim! Além disso, as artroses das minhas mãos, tiram-me a força para amassar (esta tem a ver com o meu prazo de validade, mas isso é outra história,he,he! ). Por isso digo maravilhas da MFP!
Se as minhas leitoras tiverem seguido a minha sugestão, viram no blog da Colher de Pau  (economiacadecasa.blogspot.com), que um ciclo de 3 horas para confeccionar um pão gasta 0,25 euros ( vinte e cinco cêntimos) de energia eléctrica.
Também devem ter reparado na sua sugestão de, quando usarem misturas de farinhas preparadas para pão dos pacotes de 1 kg, dividirem em duas (ou 3) partes e acrescentarem o mesmo peso de farinha normal, tipo 65 (ou 55). Assim, com um pacote fazem dois ou três belos pães e poupam dinheiro.
Algumas leitoras queixam-se por as pàzinhas de bater a massa ficarem presas dentro do pão. Por isso todas as MFP trazem um "araminho" que ajuda a retirá-las danificando o pão, o menos possível. Para evitar que fiquem muito agarradas, ponho sempre a gordura (azeite ou margarina conforme a receita) por cima das pás e só depois coloco a água.
Todas as receitas de Pão referem como gordura, 2 colheres de sopa de óleo, sobretudo se vierem noutra língua que não seja o português. Eu uso apenas azeite virgem que é o melhor para a saúde e não deixa sabor no pão.
Aqui na Blogosfera da Culinária, aprendi muitas receitas de pães e já tenho uma boa colecção. Hoje presto homenagem à Risonha (cozinha-da-risonha.blogspot.com) com quem aprendi pela primeira vez a fazer um Pão de Cruesli muito fácil e agradável.
Em retribuição para todas as  Amigas e para todos os que me visitam, deixo-vos uma nova receita de pão de Muesli. Faz parte das 95 receitas do livro Pain Maison  (Pão Caseiro) de Cathy Ytak da colecção Marabout Chef.

                                          PÃO DE MUESLI


 Para um pão de 750g:

270 ml de líquido (135 ml de leite e 135 ml de água)
20 g de mel (2 colh. de sopa) ou 10 g de melaço
15 g de manteiga (usei 2 colh. de sopa de Vaqueiro líquida)
1,5 colheres de chá de sal
270 g de farinha de trigo T80 (usei T65)
50 g de farinha de centeio (usei trigo integral)
100 g de muesli
2,5 colheres de café de fermento seco de padeiro (Fermipan)
40g de figos secos (5 ou 6) - cortados aos pedacinhos
20 g de alperces secos (2 ou3) -   "        "          "

Primeiro coloquei a margarina líquida sobre as pás.
Depois coloquei os líquidos. Em seguida pus os sólidos excepto os figos e alperces.
Por cima deitei o fermento seco.
Programei Pão Completo e quando a máquina apitou, juntei os figos e os alperces em pedacinhos.


Notas:
- Ficou um pão muito rico e nutritivo, saboroso e leve.
- Como viram, fiz algumas alterações porque não tinha farinha de centeio, mas ficou óptimo na mesma.

Fiquem bem. Beijinhos da

Bombom = Tia Fátima = Avó Fátima

PÃO, PÃO... COM MÁQUINA OU COM A MÃO?

Ando há algum tempo com vontade de vos falar sobre este tema, pois ainda há muita gente com dúvidas àcerca da funcionalidade das máquinas de fazer pão. Há cerca de uma semana, quando visitava um dos blogs da Colher de Pau,  economiacadecasa.blogspot.com  , ela dava o seu testemunho àcerca deste tema e muitas foram as leitoras que comentaram e apresentaram as suas dúvidas.
Vale a pena passarem por lá pois é um blog muito interessante e com muitas e boas ideias para poupar em tempos de crise... e não só.
Eu tenho máquina há uns 4 anos e desde aí raramente vou à Padaria que abriu mesmo em frente da minha casa.
Por uma questão de economia, nunca compro as "misturas" já feitas. Compro sempre sacos de farinha Espiga ou de 1 kg ou de 5 kg (Tipo 65). É uma farinha sem fermento própria para pão. E à parte, compro os pacotes de sementes que gosto de utilizar: sésamo (gergelim), linhaça (clara e escura) e girassol são as mais fáceis de encontrar. Costumo enriquecer o  pão juntando 1 colher de sopa de gérmen de trigo ou de levedura de cerveja (rica em Vitamina B).
Também gosto de fazer pão com flocos de cereais, tipo Muesli ou Cruesli. Para isso uso o Cereal Mix Integral da Salutem: faço um pão normal e junto 2 colheres de sopa de Cereal Mix. A Diese tem uma mistura de cereais com pedacinhos de chocolate, que também proporciona um pão muito rico e agradável.
Quando se fazem estas misturas, deve-se ficar atento quando a máquina começa a bater a massa pois às vezes é necessário juntar uma ou duas colheres de água morna, para a massa ficar macia e não muito seca.
Mas o que eu queria partilhar convosco, é um estudo da DECO (Defesa do Consumidor) de que sou sócia. Na sua revista PROTESTE n° 297 de Dezembro de 2008, apresentou os resultados dos testes a 10 Máquinas de Fazer Pão (MFP).
As marcas testadas foram: Tefal, Kenwood (Ariete), Fagor, Clatronic (Mei), Far (Conforama), Morphy Richards, Ariete, Tristar e Taurus.
A melhor do teste foi a da Tefal OW 200130 (entre 65 e 80 euros).
A escolha acertada foi para a Clatronic BBA 2605 à venda nas lojas Worten (por 60 euros) e para a Far XBM 838, à venda na Conforama por 55 euros. Esta escolha tem a ver com o preço em detrimento da qualidade. Neste caso, estas duas máquinas mais baratas, têm o ponto negativo de não fazerem um bom pão no programa rápido. De todas as MFP testadas, estas duas foram as únicas que tiveram nota medíocre neste item.
O ponto fraco das MPF testadas foi o ruído que elas fazem enquanto amassam: as mais barulhentas são as Fagor PAN-850 e a Tefal OW 500130 (outro modelo, mais caro que custa entre 84 e 100 euros).
Este facto só é problemático para quem faz a programação para ter pão quente no dia seguinte de manhã, mas se as portas da cozinha ficarem fechadas, como a máquina só amassa durante cerca de 30 minutos, este problema é ultrapassado.
A Deco aconselha a antes de comprar, visitar várias lojas pois há grandes diferenças de preços entre elas. 
Se uma família utilizar a MFP para confeccionar pão de trigo branco duas vezes por semana, ao fim de quase um ano já poderá recuperar o custo.
Outras MFP há, que não foram testadas e também são boas. A minha, por exemplo, é marca EureKa e foi comprada na La Redoute. É uma marca cara, mas eu comprei na altura dos Saldos por 75 euros (o tamanho 2; o tamanho 1 é mais em conta e faz o mesmo). Já tem quase 3 anos e tem sido boa. As da Biffinet que se vendem no Lidl, também são muito baratas (40 a 45 euros) e são boas também.

E para compensar a vossa paciência para lerem isto tudo, ofereço-vos uma receita que aprendi com a Cinara do Cinara`s Place. É um pão muito agradável do tipo Brioche, que me fica sempre bem e é económico. Chama-se Pão de Challah (lê-se Ralá).

PÃO DE CHALLAH

3/4 de chávena (xícara) de água morna
1 ovo grande
3 colheres de sopa de margarina picada (uso margarina líquida Vaqueiro)
3 chávenas de farinha de trigo T65 (sem fermento)
4 colheres de sopa de açúcar
1 e 1/4 colher de chá de sal
2 colheres de chá de fermento seco de padeiro (Fermipan)

Na MFP: Primeiro  ponha os líquidos.
Deite a água morna. Bata o ovo em  omelete e adicione. Ponha o açúcar numa ponta da forma e o sal na oposta. Espalhe a margarina picada. Deite a farinha e por fim o fermento.
Programe para Pão Normal.

Desejo-vos um bom DIA DE PORTUGAL.
Beijinhos da

Bombom = Tia Fátima = Avó Fátima

CONGELAR CARNE E PEIXE...

CARNE

Selecção
No caso de a carne ser fresca e adquirida no talho, pode congelar-se directamente.
Tratando-se de produção e abate doméstico, para se obter uma óptima qualidade de carne congelada é necessário submetê-la à maturação e enxugo, colocando-a no refrigerador (frigorífico) à temperatura de refrigeração, após o que se procederá à congelação.
Os tempos mais convenientes para o enxugo e maturação da carne, a uma temperatura de 7° C (refrigerador) são:
* Vaca: 4 a 5 dias;
* Vitela e Porco: 1 a 2 dias;
* Cordeiro e Cabrito: 2 a 3 dias.
Passado esse período, as carnes serão preparadas para congelação.

Preparação e Congelação
A carne deve ser:
- Esquartejada, desossada e limpa de dos tendões e gorduras.
- As peças de carne devem ser cortadas em dimensões próprias para o consumo e de forma espalmada para que a penetração do frio se faça o mais ràpidamente possível
- As línguas devem ser lavadas e escovadas.
- O fígado pode ser conservado inteiro ou em iscas (fatias finas). A embalagem do fígado deve ser feita com especial cuidado. Evitar colocar as embalagens directamente em contacto com as superfícies frias, a fim de evitar as "queimaduras do frio" nesta víscera muito delicada.
- A carne congelada que se compra já descongelada, não se deve recongelar em crú.

Descongelação e Confecção
- Porções de pequena dimensão (bifes, costeletas e escalopes, pedaços para guisar,etc.) podem cozinhar-se directamente mas a uma temperatura mais baixa e com um tempo de cozedura superior ao habitual para o produto fresco. (Eu descongelo sempre e tempero com alguma antecedência).
- Peças de maior dimensão (para assar, cozer, etc.) podem ser cozinhadas directamente ou descongeladas no frigorífico. No caso de serem cozinhadas directamente, mantém-se a temperatura e o tempo de cozedura indicados para porções de pequena dimensão.

ANIMAIS DE CAPOEIRA E CAçA

Selecção 
A congelação de animais de capoeira é particularmente vantajosa para quem tenha criação própria.
É necessário ter em conta que os animais devem ser congelados um dia após o abate.

Preparação e Congelação 
As aves e os coelhos devem ser:
- completamente sangrados;
- depenados ou esfolados;
- eviscerados (retiradas as tripas)
- retiradas as gorduras;
- lavados com água fria;
- cortados aos pedaços (também se podem congelar inteiros, se não forem muito grandes);
- embalados e congelados.
- as miudezas devem ser lavadas, arranjadas e congeladas separadamente.

Descongelação e Confecção
É aconselhável, sempre que possível, cozinhar directamente sem descongelação prévia. Neste caso, deve adoptar-se a temperatura e a duração da cozedura indicadas para a carne.

PEIXE E MARISCOS

Selecção
O peixe presta-se muito bem a ser congelado. Todavia, por ser um produto muito frágil, deve ser tratado num período nunca superior a 8 a 12 horas após a captura. Portanto não se aconselha a congelar o peixe que se compra normalmente nos mercados da cidade, mesmo que pareça muito fresco. (Como não temos outro, eu congelo o peixe que compro na Peixaria bem fresco, mas uso-o durante a semana. Nunca deixo muito tempo no congelador). Contudo, se tiver acesso directo aos pescadores da costa, aos piscicultores (viveiros de trutas, por ex.) ou se houver um amador de pesca na família, pode-se congelar este peixe cuja frescura se conhece como certa.
Quanto aos crustáceos e moluscos podem-se congelar os adquiridos no mercado desde que estejam vivos.

Preparação e Congelação
O peixe fresco deve ser:
- imediatamente eviscerado, lavado e escamado;
- seguidamente, cortado em postas, filetes ou mantido inteiro, segundo a utilização que se lhe quiser dar;
- embalado em material perfeitamente impermeável;
- os crustáceos são congelados após cozedura e eliminação das partes não comestíveis.

Descongelação e Confecção
O peixe deve ser descongelado na própria embalagem antes de ser cozinhado. Esta operação dura geralmente 2 a 3 horas, se for feita à temperatura ambiente e varia com a espessura e tipo da embalagem.
Pode-se reduzir o tempo da operação colocando a embalagem fechada sob água fria corrente. (Para não gastar muita água, ponho de imersão em água morna, mas em geral retiro do congelador na véspera e deixo descongelar dentro do frigorífico).
No caso dos crustáceos cozidos, é necessário assegurar-se que a descongelação foi total, pois seria desagradável encontrar partes ainda congeladas, no consumo.

 E aqui termina o tema da Congelação de Alimentos. Espero que tenham ficado esclarecidas, tal como eu que já não abria este livrinho há anos, e que descobri que ainda não tinha assimilado as regras todas. Como vos disse na primeira postagem sobre este tema, guiei-me por uma pequena brochura editada pelo Instituto Nacional do Frio. Estas regras são gerais, mas de tal maneira aprofundadas, que podem ser usadas até para fins industriais, sem ficar com medo da ASAE. Por isso, são de confiança.

Uma boa semana de trabalho e de gostosas comidinhas!
Beijinhos da

Bombom = Tia Fátima = Avó Fátima












































A EMBALAGEM DOS CONGELADOS

A todos os que me visitam, peço desculpa por este Tema estar a ser tão longo. A verdade é que, para quem estiver interessado nele, decerto lhe acharão alguma utilidade. E aqui estou a pensar em todas as Amigas que me têm deixado os seus comentários e que tanto estímulo me deram.
Não sei se sabem, mas a Bombom tem o costume de visitar todas as comentadoras do Estaminé. O problema é que em muitas delas não consegue fazer entrar os seus comentários, (só como anónima) e alguns estão bloqueados a anónimos... A todas, muito obrigada pelas vossas visitas e pelos vossos comentários!

Antes de falar da Carne e do Peixe, queria falar-vos da embalagem, que é muito importante para a qualidade final dos produtos congelados. Tem por função principal, proteger os alimentos contra a sujidade, oxidação, desidratação superficial, contaminações, transmissão de odores, etc.
Os materiais para a embalagem devem obedecer às seguintes características:
* serem impermeáveis ao ar, aos líquidos, ao vapor de água e aos cheiros;
* não serem tóxicos;
* estarem rigorosamente limpos.
Os mais utilizados são:
* os plásticos (polietileno flexível, poliester ou polivinilo) sob a forma de sacos, folhas ou caixas rígidas;
* o celofane especial, sob a forma de folhas (film).
* o alumínio, rigorosamente estanque e opaco, sob a forma de folhas ou formas;
* o cartão parafinado ou plastificado rígido, sob a forma de caixas;
* o vidro, sob a forma de frascos ou outros recipientes rígidos.
As formas de embalar: as dimensões da embalagem devem ser, tanto quanto possível, reduzidas (pequenas quantidades) para permitir uma rápida penetração do frio e, de preferência, ter formato rectangular para ganhar espaço no congelador.
Os produtos sólidos como a carne, as frutas, o pescado e outros alimentos de forma irregular, podem ser embalados em sacos de plástico aos quais se tira cuidadosamente todo o ar; fecham-se com fio ou plastificam-se (soldam-se a quente); melhores ainda, são as folhas de polietileno, alumínio ou celofane, que se vendem a rolo ou a metro e que aderem bem aos alimentos, evitando a formação de bolsas de ar, susceptíveis de prejudicar uma boa conservação. Neste caso, depois de dar várias voltas sobre o produto, colam-se os bordos com fita adesiva especial (a normal descola-se a baixas temperaturas).
Os produtos sólidos em calda (como a fruta) ou com molhos, devem ser embalados em caixas rígidas hermèticamente fechadas.
As peças de carne (bifes, costeletas) bem como os filetes de peixe, devem ser separados entre si, por folhas de plástico ou de alumínio.
Os produtos líquidos devem ser embalados em caixas de material rígido, seja de plástico, alumínio, cartão ou vidro.
O volume dos líquidos aumenta cerca 10% ao congelar. Por isso, deve-se calcular uma margem de segurança, deixando um vazio entre o produto e a tampa da embalagem.
Para tornar estanque uma embalagem, coloca-se uma cinta adesiva especial à volta do bordo da tampa. Algumas caixas de plástico já possuem uma tampa que fecha hermèticamente sob pressão.
Atenção: Na congelação, nunca utilize sacos que já tenham sido  usados (texteis, alimentos crus, etc) e que não correspondam às características já referidas ou que possam transmitir aos alimentos sabor ou cheiro.

Para terminar, por hoje, vou contar-vos as minhas Desventuras na Cozinha, desta semana.
Num destes dias assisti a um programa na Sic Mulher, com a Nigella. Raramente consigo vê-los porque são transmitidos sempre a horas em que estou a fazer o jantar, mas nesse dia calhou-me bem. Ela estava a ensinar a uma amiga, como se faz uma COMPOTA DE FRAMBOESA em 20 minutos. Fiquei logo de olho arregalado (sim, porque o ouvido à escuta, já era!!!).
Ela pegou em duas taças de vidro pirex e numa pôs as framboesas que tinha apanhado no quintal (mais ou menos 750g), e na outra pôs o que me pareceu ser 0,5 kg de açúcar. Colocou as duas taças no forno pré-aquecido a 180°, durante 20 minutos. Quando as retirou, juntou cuidadosamente o açúcar às framboesas, com muito cuidado para  não se queimar. Mexeu com a espátula para misturar bem e deitou em frascos que tapou com tampas herméticas. Ficou uma compota com uma cor linda que, depois de fria, se deve guardar no frigorífico por duas semanas.
Agora, as minhas desventuras... Como não tinha framboesas, substituí por morangos e fiz "talqualzinho" como a Nigella. Até pus o temporizador ao pé de mim, para não deixar passar o tempo... mas distraí-me um pouco e passaram mais 5 ou 6 minutos. Quando abri o forno, parte do açúcar já estava a caramelizar... Sobre a tábua de madeira da cozinha pus as duas taças e cuidadosamente, juntei colheradas da polpa de morangos no açúcar caramelizado e fui envolvendo, até obter uma compota homogénea, de cor bonita. No final provei e gostei do sabor, embora tenha ficado com um leve travo amargo do caramelo quase queimado!!!
Desta lição aprendi que os tempos da receita são sempre para respeitar! O açúcar da Nigella ficou areadinho, seco e branco, só que a elevada temperatura (daí o cuidado ao manusear). E o doce dela devia estar divinal, como vai ficar o próximo que eu fizer!
Sempre quero ver se os Provadores vão dar pelo "meu gato"!...

Desejo-vos uma boa semana, com calma e alegria .
Beijinhos da

Bombom = Tia Fátima = Avó Fátima

CONGELAR PRATOS COZINHADOS

"Pode congelar-se todo o tipo de alimentos cozinhados: guisados, assados, cozidos, etc. Se se consumirem frios, deve-se cozinhar normalmente; se se consumirem quentes, o tempo de cozedura deverá ser inferior ao normal.
Os produtos picados assim como os recheios, são particularmente delicados uma vez que estão mais sujeitos à acção das enzimas e dos microorganismos. Por isso devem-se conservar durante pouco tempo e separadamente dos alimentos a rechear.
Nos pratos com molhos, estes só devem ser adicionados depois da descongelação do prato, para evitar o ranço e outras alterações.
As sopas podem-se congelar normalmente sem problemas de alteração de textura ou de cor.

Cozinhar uma vez... Consumir quatro vezes

Alguns conselhos práticos:
* Diminuir a quantidade de gorduras e de sal.
* Reduzir ligeiramente os tempos de cozedura.
* Para ligar os molhos utilizar misturas que associem farinha e fécula.
* Empregar recipientes que possam ir ao forno (cerâmica ou pirex).
* Completar o tempero e apurar os molhos na altura de servir.
* Qualquer que seja a natureza dos pratos cozinhados, é importante que sejam embalados o mais ràpidamente possível, para evitar a contaminação microbiana e colocados no congelador logo que tenham arrefecido.

Descongelação
* Se os pratos se destinarem a ser consumidos frios, devem-se descongelar no refrigerador (frigorífico). É o caso da carne ou frango assado.
*Se forem consumidos quentes, devem-se aquecer lentamente no forno.
* Molhos, sopas e estufados podem-se aquecer directamente, no forno ou numa caçarola, em lume brando.


Pão, Doces e Pastelaria

* O pão e os bolos devem congelar-se o mais frescos possível e embalados em plástico ou em papel de alumínio.
* A compra obrigatória do pão diário pode-se efectuar semanal ou quinzenalmente, se se guardar a quantidade necessária no congelador.
* A sua conservação pode atingir os dois meses.
* Em Pastelaria pode-se congelar, separadamente, a massa crua e os elementos de guarnição, assim como as tartes e bolos já confeccionados. Estas podem ser embaladas cruas ou depois de cozidas no forno e arrefecidas.

Descongelação
* Podem ser descongelados no forno a temperatura branda mas, se se utilizar este processo, conservar-se-ão menos tempo frescos do que se forem descongelados à temperatura ambiente ou no frigorífico.
* Tortas Cobertas: Devem -se desembalar antes de descongelar para evitar que o invólucro se pegue.
* Tartes de Creme: Podem-se cortar enquanto estão parcialmente congeladas para se conseguir melhor forma e maior rapidez na descongelação.

Ovos

É pouco vulgar congelar ovos porque se encontram disponíveis todo o ano e conservam-se fàcilmente, por algum tempo, no frigorífico. Contudo, se pretender congelar, siga as seguintes recomendações:
 * Os ovos devem ser partidos. Devem misturar-se as gemas com as claras batendo pouco para não introduzir muito ar na mistura e adicionar-se um pouco de sal ou de açúcar, consoante a utilização posterior.
* Pode-se ainda congelar separadamente gema e clara. Na clara não se deve adicionar sal ou açúcar se se destinar a ser batida em castelo, depois de descongelada.
* Devem escolher-se embalagens rígidas e estanques e de tamanho adequado às porções a congelar.
* A descongelação faz-se na embalagem e, de preferência, dentro do frigorífico.

Leite

* A  congelação do leite permite fazer face a eventuais faltas no mercado. No entanto, para congelar só se deve utilizar leite pasteurizado e homogeneizado (isto é, fortemente batido) de forma a evitar a separação do soro.
* Deve-se escolher de preferência embalagens paralelipipédicas de cartão que serão colocadas no congelador.
* A descongelação deve efectuar-se na embalagem.
* Uma vez descongelado, convém conservar o leite no frigorífico até ser utilizado.
* O consumo deve efectuar-se num curto espaço de tempo.

Natas

* Deve-se escolher natas frescas e muito espessas.
* Deve-se bater enèrgicamente a fim de as homogeneizar o mais possível.
* Para congelar devem ser embaladas em recipientes estanques.
* A descongelação deve realizar-se na própria embalagem e no frigorífico.

Manteiga

* Deve-se escolher manteiga sem sal, de boa qualidade e muito fresca, e acondicioná-la em embalagens estanques.
* Deve ser congelada imediatamente.
* Por ser muito susceptível aos odores, deve ser muito cuidadosamente embalada e protegida.

Queijo


* Não se aconselha a congelação de queijos duros porque, ao descongelar, reduzem-se a migalhas.
* Os queijos curados devem ser cortados em fatias ou pedaços e separados por película aderente ou folha de alumínio.
* A descongelação é feita no frigorífico."

Espero que estas notas vos possam ser úteis. Se as seguirem, não há ASAE que nos sancione, he,he!
Estou a brincar, mas parabéns à ASAE pois antes de ela existir, nem vocês imaginam as porcarias que comíamos todos! (E só refilam os prevaricadores.)
Só falta falarmos das regras para a Carne, Aves e Caça, Peixe e Mariscos, mas ficam para a próxima.
Beijinhos da

Bombom = Tia Fátima = Avó Fátima.